Pesquisas

23 de junho | 2021

Práticas ambientais, sociais e de governança: uma nova visão para um agronegócio promissor

A Coopercitrus foi criada com objetivo de atender os interesses de seus cooperados e atuar como instrumento para facilitar o dia a dia do produtor rural, contribuindo para o aumento da eficiência e da produtividade em campo. Prestes a completar 45 anos de atividades, a cooperativa evoluiu em sua atuação, ampliou o número de cooperados, diversificou seus produtos e serviços, mas preserva sua essência, sem medir esforços para integrar soluções que atendam plenamente o cooperado, combinando o fornecimento de produtos, serviços e tecnologias para as mais diversas atividades rurais.

Por trás da estrutura de atendimento da cooperativa, destaca-se uma gestão cada vez mais profissional, focada em melhorar continuamente a performance dos negócios, proporcionar segurança e confiabilidade aos cooperados, garantir a sustentabilidade da cooperativa e da comunidade ao seu entorno.

Para acompanhar essa evolução, nos últimos anos, a Coopercitrus vem adotando medidas para otimizar sua gestão com foco na Governança Corporativa. Esse termo tem ganhado cada vez mais evidência no mundo corporativo e nas grandes corporações, pois engloba o conjunto de processos e regulamentos de uma empresa para o maior controle da gestão, e está ligada diretamente ao valor da empresa, a relação com os investidores e com o público.

Na Coopercitrus, o intuito é promover a sustentabilidade de seus negócios e manter um relacionamento cada vez mais transparente com seus cooperados, colaboradores e parceiros. “Investir em uma Governança Corporativa sólida proporciona o avanço contínuo na estrutura de controle, mitiga os riscos e garante longevidade aos negócios. O objetivo é oferecer segurança aos cooperados, aumentar a transparência e a confiança”, ressalta o vice-presidente do Conselho Administrativo, Matheus Kfouri Marino.

Segundo o gerente de Governança da Coopercitrus, Nicolas Merchiori, embora a Governança Corporativa é bastante comum em empresas de capital aberto nas cooperativas, é vista como uma inovação na gestão, como uma ferramenta de garantia de segurança, idoneidade e confiança. “A Coopercitrus busca estar na vanguarda, atendendo sempre às expectativas do seu cooperado. Esse processo de implementação da Governança começou há alguns anos e vem ganhando corpo com um departamento focado na implementação e monitoramento das políticas de governança”, explica Merchiori.

Dentre as realizações desse setor no último ano, destacam-se o relançamento do Código de Conduta e Ética, criação do programa de compliance, aprimoramento da gestão de riscos, auditoria interna contínua, entre outros mecanismos para melhorar a gestão, transparência e divulgação de informações importantes aos cooperados, colaboradores, fornecedores e comunidade.

Ainda nesse processo de evolução em sua gestão, a cooperativa intensificou seu olhar para suas práticas sustentáveis e irá publicar um Relatório de Sustentabilidade, desenvolvido com base em diretrizes internacionais da Global Reporting Initiative (GRI), que irá reportar todas as ações sustentáveis realizadas em suas mais diversas atividades ao longo do ano de 2020.

Ao implementar políticas voltadas para o programa de Governança Corporativa e investir em ações voltadas para a área social e ambiental, a Coopercitrus vem se tornando uma referência por suas boas práticas em um conceito que está ganhando evidência no mercado e praticado entre as principais companhias mundiais, conhecido como ASG (Ambiental, Social e Governança) ou, ESG (do inglês Environmental, Social and Governance), demonstrando sua visão de futuro.

Responsabilidade ambiental e desenvolvimento socioeconômico

A responsabilidade social está no DNA da Coopercitrus, sendo parte dos princípios do cooperativismo, e praticada intensivamente por diversas ações na cooperativa. A partir de 2019, esse conceito ganhou ainda mais relevância, com a criação da Fundação Coopercitrus Credicitrus, localizada em Bebedouro, SP; cujo objetivo é promover o desenvolvimento dos cooperados e da comunidade no entorno, contando com parceiras estratégicas para viabilizar grandes projetos.

Um dos pilares da atuação da Fundação Coopercitrus Credicitrus é a educação. Por meio da parceria com o Centro Paula Souza, a Fundação viabilizou a implantação do curso Técnico em Agronegócio pela Etec, iniciado em 2020, e o curso Superior em Big Data pela Fatec, previsto para o segundo semestre de 2021. As aulas acontecerão no novo prédio educacional que está sendo construído na Fundação, totalmente planejado e equipado para preparar os alunos para atuarem com análise e inteligência de dados, desenvolvimento de softwares para o agronegócio e tecnologias voltadas para agricultura de precisão.

O prédio abrigará estes cursos durante a noite e, no período diurno, será utilizado para treinamentos operacionais voltados ao produtor, como de tratorista, mecânicos, tecnologia na aplicação de insumos. A Fundação também viabilizará aulas práticas, com acompanhamento das lavouras, laboratórios de análise e viveiros de mudas. Com isso, a Fundação Coopercitrus Credicitrus pretende se tornar um polo de desenvolvimento tecnológico regional do agro em educação, pesquisa e meio ambiente.

Na visão de Matheus Kfouri Marino, a educação é uma das estratégias para promover a transformação social, formando capital humano capacitado e especializado para o setor agropecuária. “Os investimentos na profissionalização e na capacitação de pessoas para atuarem no agronegócio são ações que retornarão na forma de desenvolvimento para o agro, na inovação para nossos cooperados e na geração de empregos, com impactos positivos na sociedade. Os resultados virão em um longo prazo, mas serão perenes”, analisa Marino.

Responsabilidade ambiental e preservação

Por meio da Fundação, a Coopercitrus intensificou sua atuação na área ambiental, mediante a realização de importantes projetos que auxiliam os cooperados na recuperação de florestas e restauração de minas em suas propriedades rurais, como o Projeto CooperSemear, Projeto Mata Viva e Projeto Olhos D´água.

O Projeto CooperSemear oferece apoio técnico para reflorestamento de áreas de preservação permanente (APP) e reserva legal. O time ambiental da Fundação desenvolve os projetos de reflorestamento conforme a necessidade de cada produtor, e fornece mudas para implantação das matas, sendo que o cooperado fica responsável apenas pela mão de obra de plantio e eventuais adequações da área. Nos mesmos moldes, o Projeto Mata Viva, realizado em parceria com a BASF, atua no reflorestamento em áreas rurais, com suporte técnico e fornecimento de mudas. Já o Projeto Olho D’Água, realizado em parceria com a empresa Nortox, tem como foco a preservação e recuperação de minas e nascentes dentro das propriedades rurais, contribuindo efetivamente com o aumento da disponibilidade de água e da biodiversidade.

Para abastecer esses projetos, a Fundação possui um viveiro com mais de 169 mil mudas de 83 espécies florestais, que são direcionadas para os projetos de reflorestamento, para recomposição de áreas ou para o plantio de florestas comerciais em áreas rurais.

Ainda na área ambiental, a Coopercitrus é referência nacional na logística reversa de embalagens de defensivos agrícolas, por meio do Sistema Campo Limpo, iniciativa do InpEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias, dando suporte para os cooperados realizarem a destinação correta das embalagens vazias. Em todas as suas unidades, a cooperativa possui pontos de coleta, além de cinco postos, em Limeira, Mogi Mirim, Jales, Pirassununga e Barretos, SP; e duas centrais de recolhimento, em Bebedouro e em Catanduva, SP. Em 2020 foram recolhidas mais de 600 toneladas de embalagens plásticas pela Coopercitrus.

 

Compartilhar